Transtornos neurológicos funcionais: um guia para pacientes

incluindo crises não-epilepticas  doenças do movimento funcionais e outros sintomas funcionais

Hemi

neurosymptoms.org

Síndrome de dor regional complexa

 

A síndrome de dor regional complexa (SDRC) se refere a uma dor em um ou mais membros, que ocorre em várias situações diferentes, mas especialmente após uma lesão física. Também pode ser desencadeada por outros motivos, incluindo lesões mais leves de tecidos moles, como a síndrome do túnel do carpo.

 

A SDRC era designada anteriormente por distrofia reflexa simpática, mas já não é assim designada porque hoje sabemos que ela não ocorre apenas por causa de um distúrbio do sistema nervoso simpático.

 

Segue-se uma história típica:

 

Critérios clínicos de Budapeste para o diagnóstico da síndrome de dor regional complexa:

 

 

Critérios diagnósticos (1-4 devem estar presentes):

1. Dor contínua, que é desproporcional a qualquer evento desencadeador

2. Pelo menos um sintoma em três das quatro categorias seguintes:

a) Sensitivo: hiperestesia e/ou alodinia

b) Vasomotor: assimetria de temperatura e/ou alterações na cor da pele e/ou assimetria da cor da pele

c) Sudomotor/edema: edema e ou alterações da sudorese e/ou assimetria da sudorese

d) Motor/trófico: diminuição da amplitude de movimento e/ou disfunção motora (fraqueza, tremor, distonia) e/ou alterações tróficas (cabelo, unhas, pele)

3. Pelo menos um sinal no momento da avaliação em duas ou mais das seguintes categorias:

a) Sensitivo: evidência de hiperalgesia (à picada) e/ou alodinia (para toque ligeiro e/ou pressão somática profunda e/ou movimento articular)

b) Vasomotor: evidências de assimetria de temperatura e/ou alterações na cor da pele e/ou assimetria na cor da pele

c) Sudomotor/edema: evidências de alterações do edema e/ou sudorese e/ou assimetria da sudorese

d) Motora/trófica: evidência de diminuição da amplitude de movimento e/ou disfunção motora (fraqueza, tremor, distonia) e/ou alterações tróficas (cabelo, unhas, pele)

Não há outro diagnóstico que explique melhor os sinais e sintomas.

 

Termos:

Edema: Inchaço

Atividade sudomotora: Geralmente se refere à mudança de cor ou no fluxo sanguíneo

Alodínia: Descreve uma resposta dolorosa a um estímulo não doloroso, por exemplo, esfregar a pele levemente contra a roupa da cama é doloroso

Hiperalgesia: Maior sensibilidade a estímulos normalmente dolorosos

Complex Regional Pain Article

A história de Andrew

 

Andrew era profissionalmente ativo e possuía hábitos saudáveis.

 

Um dia estava descendo uns degraus num terreno coberto de geada, quando escorregou e caiu, fraturando o pulso. A cirurgia para corrigir a fratura do pulso correu razoavelmente bem, mas ele contraiu uma infecção e ficou um longo tempo internado no hospital, momento que Andrew sentiu muita dor. Todo o processo demorou muito mais do que inicialmente esperado.

 

Quando retirou o gesso do pulso, a mão e o pulso pareciam estranhos, rígidos e fracos. Tinha muita dor, havia edema e rubor e a mão machucada estava mais quente do que a outra. Inicialmente, os médicos e fisioterapeutas achavam que com o tempo isso se resolveria, mas tal não aconteceu.

 

Após seis meses, os sintomas foram se agravando. O Andrew passou a sentir uma dor intensa e constante. Mesmo um toque ligeiro no local era muito doloroso e produzia uma sensação horrível de choque elétrico.

 

Posteriormente, ele descobriu que não conseguia movimentar o braço corretamente e tendia a segurá-lo sempre numa posição em que este estivesse protegido. Temia que as pessoas se chocassem contra o seu o braço quando ele saía de casa. A sua mão também estava um pouco mais inchada daquele lado, e, quando ele fechava os olhos, sentia que ela era muito maior do que realmente parecia quando estava de olhos abertos. Mas Andrew tinha vergonha de contar isso a alguém. Os seus dedos começaram então a se enrolar um pouco e surgiu um tremor ligeiro na mão.

 

Andrew passou a ficar confuso com tudo o que estava acontecendo. Os médicos disseram que a fratura e os ferimentos estavam curados, mas a sua dor só piorava. Começou a achar que deveria ter machucado alguns nervos da mão, mas os exames de eletroneuromiografia e uma avaliação neurológica concluíram que não havia danos nervosos.

 

Após 12 meses, Andrew ainda não havia voltado a trabalhar e se sentia cada vez mais frustrado e preocupado com a situação.

 

Quando ele conheceu a equipe de dor, eles explicaram que, embora houvesse algum dano no pulso, isso não explicava a intensidade da dor. O que aconteceu foi que ele desenvolveu uma síndrome de dor crônica chamada síndrome de dor regional complexa (SDRC).

 

Na SDRC, os “botões de volume” normais das vias de dor que estão por todo o sistema nervoso ficam maiores e “presos” nesse “volume mais alto”. Isso acontece não apenas no membro afetado, mas também na medula espinhal e, pior ainda, no cérebro.

 

O tratamento de SDRC depende da diminuição gradual desses botões de volume. A medicação pode ajudar, assim como vários outros tipos de tratamento. A maneira mais importante de fazer isso é movimentar gradualmente a mão com a ajuda de fisioterapia.

 

Esse foi um processo doloroso e difícil para o Andrew. Ele recebeu exercícios de dessensibilização e alguns deles envolviam o uso de um espelho para aprender a reconhecer as posições das mãos. Ele se esforçou nos exercícios e, finalmente, percebeu que a sua dor estava significativamente menor. Depois de outros 12 meses, ele ainda sentia dores, mas conseguiu voltar ao trabalho e usar a mão para a maioria das atividades do dia a dia. Andrew ficou muito satisfeito por ter conhecido uma equipe que tinha sido capaz de explicar as coisas de uma forma que o ajudou a progredir com a sua reabilitação.

 

A SDRC tipo 1 foi definida da seguinte maneira pela Associação Internacional para o Estudo da Dor.

 

Algumas pessoas desenvolvem dor num membro sem muito edema ou alterações da coloração, e há um debate sobre se esses pacientes também têm SDRC ou não. Se não, então eles devem ter algo muito semelhante, que provavelmente exige tratamentos semelhantes.

 

A SDRC é um assunto complicado, difícil de abordar apenas nesta página.

 

Algumas pessoas que estão lendo isto poderão estar se perguntando o que faz a SDRC num site para pacientes com sintomas neurológicos funcionais. As razões para isso são discutidas no seguinte artigo.

 

Popkirov S., Hoeritzauer I., Colvin L., Carson A., Pedra J. “Síndrome de dor regional complexa e desordens neurológicas funcionais: tempo de reconciliação.” J Neurol Neurosurg Psiquiatria. 2018; 0: jnnp-2018-318298. https://jnnp.bmj.com/content/early/2018/10/24/jnnp-2018-318298

 

1. Um transtorno neurológico incapacitante, porém genuíno, que ocorre na ausência de alguma patologia estrutural facilmente definível. A maioria dos sinais físicos da SDRC foi demonstrada em membros imobilizados.

 

2. Muitos pacientes com SDRC apresentam alteração da sensibilidade (que não pode ser explicada com base no transtorno e tem semelhanças com sintomas sensitivos funcionais).

 

3. Pacientes com SDRC geralmente experimentam fraqueza dos membros, muitas vezes com um caráter conversivo . Assim, por exemplo, os pacientes podem achar que o seu membro não lhes pertence tanto quanto antes. Quando o membro é examinado pelo médico, a fraqueza é clinicamente indistinguível da observada na fraqueza funcional. Ocasionalmente, os pacientes com SDRC desenvolvem uma perturbação do movimento, mais comumente uma distonia funcional. Esta é frequentemente associada também a lesões mais leves .

 

4. Em alguns pacientes, dois dos fatores perpetuadores mais importantes da SDRC podem ser a imobilidade e evitar o movimento. Isso não é surpreendente, uma vez que a SDRC provoca uma dor intensa. No entanto, quanto menos alguém mover o membro, mais dolorido ele ficará e menos provável será que o mova no futuro.

 

Falamos mais sobre esse assunto na página dedicada à dor e na página da fisioterapia.

 

Há inúmeras alterações biológicas em pacientes com SDRC, mas também nos pacientes com outros sintomas funcionais, e eles podem ter mais em comum entre si do que se pensava antes.

 

Existem muitos bons tratamentos e intervenções, mas a base parece estar em aumentar a atividade no membro.

 

Leia a história de Hazel para um exemplo típico de como a compreensão dos transtornos neurológicos funcionais pode ajudar no tratamento da SDRC.