Transtornos neurológicos funcionais: um guia para pacientes

incluindo crises não-epilepticas  doenças do movimento funcionais e outros sintomas funcionais

Hemi

neurosymptoms.org

“Já tentei de tudo, mas nada me ajuda”

 

Se já tentou de tudo o que foi proposto neste site e meses depois não melhorou, o que pode ser feito agora?

 

Nem todos os pacientes com sintomas funcionais e dissociativos melhoram.

 

Algumas pessoas têm uma vulnerabilidade maior e persistente a toda uma variedade de sintomas funcionais. Parece que, assim que um sintoma melhora, outro novo aparece para substituir o anterior. Essa situação pode ser particularmente desmotivadora para a pessoa. Com frequência, ela começa a se sentir hipocondríaca porque está sempre indo ao médico e os exames geralmente são normais.

 

Se o seu médico e os outros profissionais de saúde tentaram o seu melhor e você, na condição de paciente, também tentou o seu melhor, então os seus sintomas poderão ser crônicos e provavelmente você terá que aprender a viver com eles.

 

Isso não significa que os sintomas serão permanentes. À medida que se envelhece, eles podem desaparecer.

 

Para os médicos isso pode ser difícil de explicar. Às vezes, eles acham que, porque não há danos, os pacientes devem melhorar. Isso não é sempre verdade.

 

Não se sinta culpado por ainda não ter conseguido uma melhora. Você pode combinar com o seu médico consultas periódicas para ir monitorizando a situação. Pode ser importante, por exemplo, otimizar a medicação e monitorar a sua sensação de bem-estar geral.

 

Numa minoria de pacientes (menos de 5%), a razão pela qual eles não melhoraram está relacionada com o fato de o diagnóstico estar incorreto. Embora às vezes seja importante revê-lo, para a grande maioria dos pacientes tentativas repetidas e frustradas de obter um diagnóstico alternativo, quando já têm um diagnóstico correto de um transtorno funcional, também pode ser prejudicial. Para muitas pessoas, esses exames ou consultas frequentes são uma das razões pelas quais elas não melhoraram. É compreensível que os pacientes sintam que o sintoma deve ser causado por uma doença como a esclerose múltipla ou o Parkinson, especialmente por serem doenças das quais todos já ouvimos falar. Mas como é possível melhorar de algo quando não se tem confiança de que o diagnóstico está correto?

 

É nesse momento que é importante que o seu médico possa explicar como o diagnóstico foi feito. Ele deve ser feito com base em características positivas dos sintomas típicos de sintomas funcionais ou dissociativos. Leia a página sobre diagnóstico incorreto se quiser saber mais sobre isso.